2/05/2014

Comité de la ONU censura al Vaticano por no adoptar medidas adecuadas para poner fin a los abusos sexuales de menores

El centro de notícias de las Naciones Unidas.  Comité de la ONU sobre los Derechos del Niño censuró hoy a la Santa Sede por no adoptar medidas adecuadas para poner fin a los abusos sexuales de niños cometidos por el clero.

La presidenta de ese Comité, Kristen Sandberg, afirmó que al ratificar la Convención sobre los Derechos del Niño, la Santa Sede debe ponerla en práctica en el territorio de la Ciudad del Vaticano y hacer que todas las personas e instituciones subordinadas a ella en el mundo la cumplan.

En declaraciones a la prensa en Ginebra para ofrecer las observaciones finales de la última sesión del Comité, Sandberg expresó varias preocupaciones con respecto a la Santa Sede, entre ellos el abuso sexual de más de 10 mil niños en todo el mundo.

"La Santa Sede sistemáticamente ha puesto la preservación de la reputación de la Iglesia y la protección de los autores de los abusos por encima del mejor interés de los menores. La Iglesia ha impuesto un código de silencio a los niños y la presentación de informes a las autoridades policiales y judiciales nacionales nunca ha sido obligatoria", dijo.

Sandberg añadió que esas prácticas han contribuido a la permanencia de los abusos y a la impunidad de los perpetradores.

Inglés:  Child Rights precede reputation of the Catholic Church, says UN Committee

The Vatican has been told by a United Nations Committee to immediately remove all clergy within the catholic church known or suspected of involvement in child sex abuse.

The UN Committee on the Rights of the Child heavily censured the Vatican for failing to put in place measures to address cases of child sex abuse by the clergy and for adopting policies which have led to the continuation of the abuse and impunity of the perpetrators.

The Vatican, also known as the Holy See, was accused of attempting to cover up such crimes by sanctioning the transfer of priests known to be child sexual abusers from parish to parish or to other countries.

The committee further criticized the Vatican for failing to treat child sexual abuse cases as criminal offences and conducting proceedings on such issues behind closed doors, a practice the committee says allows the vast majority of abusers to escape jail proceedings in the countries where the abuses were committed.

Kirsten Sandberg is the chairperson of the Committee on the Rights of the Child. 

"The Holy See has consistently placed the preservation of the reputation of the church and the protection of perpetrators above children's best interest. Another matter was the code of silence that was imposed by the church on children and the fact that reporting to national law enforcement authorities has never been made compulsory. We think that it's a horrible thing that's been kept silent both by the Holy See itself and also in the different local parishes. They strongly said that their attitudes have changed over the last few years. Let us hope that this is a new beginning for a more open attitude and more co-operation and removing this condition of silence." 

The Committee urged the Vatican to provide compensation to victims of sexual abuse committed by individuals and institutions under its authority without imposing any obligation of confidentiality on the victims.

Portugués: Comité da ONU pede ao Vaticano que afaste suspeitos de abusos contra menores.

Órgão sobre os Direitos da Criança quer que Santa Sé indenize vítimas de violações cometidas por pessoas ou instituições sob autoridade da Igreja Católica; comitê cita caso de brasileira que abortou as nove anos.

O Comitê sobre os Direitos da Criança apresentou esta quarta-feira, em Genebra, suas conclusões da análise feita sobre a Santa Sé. O órgão, que integra o Conselho de Direitos Humanos da ONU, expressou grande preocupação com casos de "abuso sexual cometidos por membros da Igreja Católica".
O relatório do Comitê cita "clérigos envolvidos no abuso sexual de dezenas de milhares de crianças em todo o mundo". O órgão da ONU pede ao Vaticano que "afaste imediatamente" todos os que cometeram o crime e também todos os suspeitos de abuso, e envie os casos para a Justiça.
Silêncio
O Comitê sobre os Direitos da Criança critica o "código de silêncio" imposto a todos os clérigos e na avaliação do órgão, esta é uma das razões pela falta de denúncia dos casos de abuso.
Outro apelo feito ao Vaticano é pela reforma das leis canônicas, para que passem a considerar crime o abuso sexual de menores e não apenas "delitos contra a moral." O Comitê pede à Santa Sé que forneça compensação a todas as vítimas desses crimes.
Pernambuco
Sobre a postura da Igreja Católica em relação a abortos, o relatório da ONU cita um caso ocorrido no Brasil em 2009, onde uma menina de nove anos realizou um aborto após ter sido estuprada pelo padrasto. Na época, o arcebispo de Pernambuco condenou a mãe da garota e o médico que realizou o aborto.
O Comitê apela à Santa Sé para que reveja sua posição em relação ao aborto, nos casos onde há sério risco de vida para as garotas grávidas. Outra preocupação é com as "consequências negativas" da posição sobre acesso dos adolescentes a métodos contraceptivos e informações de saúde reprodutiva.
Homossexuais
O documento sugere que a Santa Sé use sua autoridade moral para condenar todas as formas de discriminação ou de violência contra crianças, baseadas na orientação sexual dos menores ou de seus pais e para que apoie os esforços internacionais para a descriminalização da homossexualidade.
Outra recomendacao do Comité sobre os Direitos da Crianca {e para que seja listado o n{umero de menores que sao filhos de padres e seja garantido o direito desas criancas de receber apoio de seus pais.
Comité des droits de L'enfant: Le Vatican doit déférer à la justice les pédophiles

Le Comité des droits de l'enfant de l'ONU critique la manière dont le Vatican a traité les cas d'enfants abusé sexuellement, en faisant primer ses intérets au détriment de ceux de victimes.




No hay comentarios:

Publicar un comentario